A internet está tão presente em nosso dia a dia que procurar respostas no Google se tornou algo imensamente natural cotidianamente.

Tem dúvida? Procura no Google. Quantas vezes você já ouviu ou falou isso?

A quantidade de usuários ativos na plataformas todos os dias é gigantesca, o volume de buscas só cresce a cada dia e, por isso, o Google, preservando a boa qualidade da informação, achou que seria muito mais justo e seguro para todos os usuários, um local onde se pudesse consultar assuntos relacionados à saúde comentados por profissionais da área.

Você pode até falar que o Google não é um local seguro ou, melhor, não é um local correto para obter informações relacionadas à saúde, afinal, o indicado mesmo é ir ao médico.

Isso é totalmente verdade, se notar algo de diferente, a melhor alterativa é procurar um especialista, no entanto, vai negar que já “deu um Google” para saber sobre a sua dor de cabeça? Ou então, aquela manchinha estranha na pele?

Virou um hábito, todos nós olhamos na ferramenta para tentar descobrir doenças, sintomas e até mesmo tratamentos alterativos.

Como a empresa percebeu que não conseguiria frear o consumo desse tipo de informação, o melhor foi criar um ambiente responsável e seguro, onde todo o assunto fosse tratado por especialistas da área: médicos e doutores.

O Mestre do Ads preparou esse conteúdo para te contar tudo sobre o Dr. Google, como ele pode te ajudar e, até mesmo, como ficarão os sites do nicho de saúde nessa situação.

Vem!

 

ajudar-usuários

 

O que é o Dr. Google?

No dia 6 de fevereiro, na sede do Google em São Paulo, o buscador reuniu empresários, executivos da empresa e parte do corpo médico do Albert Einstein para a divulgação do Dr. Google, que seria um serviço de utilidade pública para quem utiliza o buscador.

Ao recurso, foi dado o nome de busca por sintomas. Na prática, para nós utilizadores, não muda muita coisa. Iremos usar a caixa de busca como fazemos usualmente, porém ao aparecer o resultado, você não será mais redirecionado para um site ou blog parceiro, a informação aparecerá na própria rede de pesquisa.

Um dado que impressionou a todos que estavam no evento foi a divulgação de um dado. Segundo o Google, um levantamento feito sobre o comportamento de buscas do usuário mostrou que 1 em cada 20 buscas feitas é sobre saúde, sintomas e doenças.

Essa informação ligou o alerta da empresa que sentiu-se na obrigação de gerar a melhor experiência possível. Eles perceberam que por mais que tivessem sites parceiros que forneciam conteúdo de informações e dúvidas, a melhor alternativa era a parceria com profissionais da saúde que passaram anos estudando o assunto.

A curadoria dos médicos do Hospital Albert Einstein foi fundamental para estruturar todo o funcionamento. Desde março do ano passado, segundo o Google, o corpo médico vem avaliando conteúdo, completando material e corrigindo possíveis erros de informação.

No começo, a função só falava sobre as características das doenças, depois já apresentava as condições e, agora, também já relata os principais sintomas. A ideia é ir complementando para que todo e qualquer tipo de informação fique armazenada.

 

Dr.-Google-chega-para-ajudar-usuários

 

Como vai funcionar o Dr. Google?

Se você nos lê do desktop e já foi correndo fazer alguma busca sobre doença para ver se já está funcionando aí para você, afirmamos que não vai funcionar, viu?

No dia do evento, o diretor do Centro de Engenharia da América Latina da Google, comunicou bem claramente que a ferramenta foi criada para funcionar no celular, pois toda a sua interface foi programada para se adequar confortavelmente na tela de dispositivos móveis.

Na prática, um usuário vai digitar através do seu celular o que deseja saber e em poucos instantes, uma área diferente na tela irá aparecer. Você certamente irá notar, pois ela tem uma cor azulada que se destacará. Ali todas as informações serão disponibilizadas para você.

Sobre o novo recurso, tem dois detalhes que valem destaque:

  1. O Brasil está sendo o 2º país no mundo a contar com o recurso. Além de nós, o único país que já possui é os Estados Unidos que desde 2016 já conta com essa facilidade;
  2. Aqui no Brasil, todo o recurso foi desenvolvido por brasileiros. Nenhum estrangeiro trabalhou em qualquer parte, então podemos afirmar que tudo está 100% com foco no interesse do Brasil. Tanto que, o português é predominante em tudo.

 

Dr.-Google

 

Como ficam os sites de saúde na busca orgânica?

Essa é uma das grandes preocupações de quem há anos conseguia ranquear bem com o seu site no nicho da saúde, mas é claro que o número de visitas devem diminuir um pouco.

Não é porque você tem um conteúdo ruim, nem porque o Google está te punindo de alguma forma. É que o recurso será mostrado em destaque na página de busca, logo se o usuário irá ler diretamente ali, as chances de ele clicar em outro lugar diminuem.

Mas calma, não há motivo para abandonar seu site, ainda mais se você tem ele bem posicionado.

O momento agora é de pensar em alternativas que possam capitar as visitas, talvez mostrando diferenciais, imagens, tipos de tratamento, relatos de pessoas que já passaram por isso e o que mais você conseguir pensar em oferecer para que os usuários consumam a informação de você.

A serp está ali e os resultados virão apenas do mobile, então você ainda tem a alternativa de estar bem posicionado para desktop, não é mesmo?

Anunciar também pode ser uma boa opção e dar um gás inicial se você já anda sentindo o reflexo do novo recurso.

Faça alguns testes, modifique um pouco a estratégia e veja como é possível sim contribuir, ainda mais, com o nicho da saúde!

Tem dúvidas?

Manda pra cá.

Até logo!

Compartilhar.

Uma semana de aulas ao vivo para você aprender a vender mais com anúncios no Google, Facebook, YouTube e Instagram - As maiores ferramentas de vendas da internet.

Cadastre-se abaixo para participar: